HOSSANA!!! – Aclamação do Domingo de Ramos

HOSSANA!

Reunida para dar “início…à celebração do mistério pascal do Senhor” (Exortação inicial) a Igreja, num primeiro momento, escuta a página do Evangelho que narra a entrada do Senhor na cidade santa de Jerusalém. Para ali para onde Se encaminhou Jesus “para realizar o mistério da Sua morte e ressurreição (Exortação inicial).

No corrente Ano C escutamos a versão de S. Lucas que, num determinado ponto do Evangelho, diz assim: “Estando já próximo da descida do monte das Oliveiras, toda a multidão dos discípulos começou a louvar alegremente a Deus em alta voz por todos os milagres que tinham visto, dizendo: ‘Bendito O Rei que vem em nome do Senhor. Paz no Céu e glória nas alturas!’ (Lc 19, 37-39)

Acerca deste episódio, os outros evangelhos testemunham que as seguintes aclamações dirigidas a Jesus: “Hossana ao Filho de David! Bendito O que vem em nome do Senhor! Hossana nas alturas!” (Mt 21, 9); “Hossana! Bendito O que vem em nome do Senhor! Bendito o reino que vem, o reino do nosso pai David! Hossana nas alturas! (Mc11,9-10); “Hossana! Bendito O que vem em nome do Senhor, o Rei de Israel!” (Jo 12, 13).

“Hossana”é uma aclamação que aparece em Mateus, Marcos e João, enquanto “BenditoO que vem em nome doSenhor”, versículo 26 do Salmo 117, está presente, com leves diferenças, nos quatro evangelhos.

No seu sentido primitivo, “Hossana” significa “salva, ajuda, suplico-Te, Senhor.” Estamos perante um grito de socorro, um pedido forte de ajuda. No Antigo Testamento aparece como uma súplica nos Salmo 19, 10: “Senhor, dai a vitória ao rei e atendei-nos quando vos invocarmos”; e no Salmo 117, 25: O povo suplicava, “Senhor, salvai os vossos servos, Senhor, dai-nos a vitória.” À súplica respondiam os sacerdotes: “Bendito o que vem em nome do Senhor. Da casa do Senhor nós vos abençoamos” (vers. 26). Uma procissão dirigia-se, então, para o altar: “Ordenai o cortejo solene com ramagens frondosas até ao ângulo do altar” (vers. 26).

A seguir ao regresso do exílio de Babilónia, por alturas do segundo templo, o povo da Antiga Aliança passou a utilizar o versículo 25 deste Salmo, especialmente na festa dos Tabernáculos. Durante os sete dias desta festividade, os fiéis andavam à volta do altar, enquanto os versículos 25 e 26. No último dia, a que chamavam “dia do grande Hossana”, todos levantavam e agitavam os ramos.

Tendo estes factos presentes, aquilo que nos é narrado nos evangelhos adquire agora uma nova projecção, muito mais ampla e profunda. No Antigo Testamento o canto do “Hossana” e o gesto de agitar os ramos só se fazia a Deus: Ele é a única esperança e fonte da salvação (Sl 61, 6-8). Todavia, a multidão que acompanha e recebe Cristo em Jerusalém, na qual se destacam as crianças, utilizou os mesmos cânticos e gestos que eram habituais na festa dos Tabernáculos. Não admira, portanto, a atitude de alguns fariseus que, percebendo o alcance de tudo isto, disseram a Jesus: “’Mestre, repreende os teus discípulos.’ Mas Jesus respondeu: ‘Eu vos digo: se eles se calarem, clamarão as pedras’” (Lc 19, 39-40). Assim, “o Hossana do Domingo de Ramos dirigido a Cristo – ‘Hossana ao Filho de David’ – era um reconhecimento do Seu messianismo, do Seu poder redentor e como que uma acção de graças a Deus porque, através de Cristo, levava definitivamente a salvação e a redenção ao Seu povo, pelas quais tinham rezado clamando nos seus antigos Hossanas” (Adalbert Franquesa, As aclamações da comunidade, Dossiers CPL, 65, p. 60).

Pe. Rui Carriço

Facebook
Twitter
YouTube
Instagram

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter e esteja a par de todas as novidades!


Apontadores